terça-feira, 31 de maio de 2016

O que chegou lá em casa - Maio/2015

E aí povo, tudo bem com vocês? 

Como é que estão as estantes? Todas cheias? Por aqui também! 

Mas desta vez, não recebi/adquiri muita coisa. Mas adorei tudo o que apareceu aqui em casa. Vamos conferir? 

Como vocês sabem, no começo do mês, aconteceu a Feira do Livro aqui da cidade (Post 1, Post 2Post 3) e claro, não dá para participar de uma feira sem adquirir livros novos não é mesmo? Então adquiri o livro A Pata Formosa (Resenha) , Rasantes Campeiros (Resenha)  e O Mistério no Centro Histórico. 

Aí passeando pela feira, encontrei um livreiro com livros de sebo. E não é que achei um livro que eu queria há muito tempo? "Relações Perigosas" . Espero ler em breve para contar a vocês o que achei. Também comprei "A Arte da Guerra" que foi indicado por um professor da faculdade. Pretendo ler nos próximos dias. 


Aí a Editora Arwen resolveu fazer aquela promoção de 9,99. Todos os livros do catálogo estavam por esse preço. Eu queria comprar vários, mas sou pobre e já tenho livros demais, então adquiri só Kitty que eu queria desde o lançamento. 


Depois recebi os lançamentos da Arqueiro. Já li Trama e amei. E estou lendo A História de Nós Dois. 

Recebi ainda "Departamento de Pequenas Causações" que é uma coletânea de contos escritos apenas por mulheres. Essa coletânea surgiu de uma oficina de escrita para mulheres. Estou louca para ler e pretendo fazer isso neste mês que está chegando. 


Também recebi os marcadores e folhetos que havia mandado fazer na Gráfica 360 Imprimir. O trabalho deles é super bacana e é o melhor preço do mercado (eles cobrem a proposta do concorrente então...) . Se você ainda não se cadastrou no site, cadastre-se no Link. Desta forma, na sua primeira compra, você já ganha um super desconto. 


Também recebi mais alguns livros para a faculdade... Ô vida difícil :P 


Mas então é isso pessoal. 

Vocês já leram algum dos livros citados aqui? Ficaram interessados em algum? Me contem! 

Um beijão e até a próxima! 

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Trama - Michael Jensen e David Powers King

E aí povo, tudo bem com vocês? 

Hoje estou aqui para mais uma resenha em parceria com a Editora Arqueiro. 


Vamos conhecer esse livro que me conquistou? 



Título: Trama 
Autores: Michael Jensen e David Powers King 
Editora: Arqueiro
Páginas: 304
Sinopse: TODO MUNDO FAZ PARTE DE UMA TRAMA.
O sonho de Nels era ser cavaleiro do reino de Avërand. Filho obediente, ajudava como podia os moradores de sua pequena e tranquila aldeia. Querido por todos e tratado como herói, acreditava que logo seria selecionado como escudeiro da cavalaria.
Mas isso foi antes de ser assassinado por uma figura misteriosa.
Nels virou um fantasma, e agora só uma pessoa consegue vê-lo: a princesa Tyra, herdeira do reino e sua única esperança de entender o motivo do crime. A princípio, a jovem mimada não dá a menor confiança para o rapaz, mas, à medida que o mistério da morte dele vai se desenrolando, os dois percebem que têm em comum um segredo e um inimigo terrível, que pode se disfarçar de qualquer pessoa.
Nels e Tyra não têm escolha. Precisam fugir do castelo, desbravar um mundo oculto repleto de magia e espectros sombrios e encontrar uma agulha, a relíquia capaz de remendar o que foi descosturado na Grande Tapeçaria. E o tempo corre contra eles, pois o fio de Nels está prestes a desaparecer para sempre.

Minha Opinião: Assim que vi esse livro entre os lançamentos da Arqueiro, fiquei com vontade de ler. Afinal, essa capa é muito linda e instigante não é? E  quando você a toca, ela é ainda mais linda. O título está em relevo, a capa é toda envernizada,é linda. Só tocando para saber. A diagramação é simples, mas delicada e confortável. E quando você vai lendo, vai percebendo que tanto a capa, quanto a diagramação, combinam muito bem com a história... 

Nels é um camponês que sonha em se tornar um cavalheiro. Mas sua mãe não permite isso. Ela alega que esta vida é muito perigosa. Algo que Nels não concorda. Afinal, ele é um ótimo lutador e é considerado um herói em seu vilarejo. 

Um belo dia, um velho senhor aparece e convida o jovem para um passeio até o festival que acontece ali perto. Ali serão escolhidos os novos cavalheiros. E neste festival, a princesa de Averand será apresentada. Sua mãe não permite que ele vá, mas ele não obedece. Ao chegar lá, ele fica encantado com tudo e principalmente com a princesa.

Então ele entra em uma luta. O ganhador, beijará a princesa. Pelo menos foi o que Tyra prometeu. Nels ganha a luta, mas ela se nega a beijá-lo. Sem ter o que fazer, o camponês volta para casa. Mas no caminho é assassinado por um homem misterioso... 

Nels agora é um fantasma. Ninguém consegue vê-lo. Ele já tentou falar com a mãe, com os amigos, com todos. Mas ninguém percebe sua presença... Até que ele encontra a princesa. E ela o vê! 

O que será que une os dois e permite que a moça veja o rapaz? Será que a missão inacabada de Nels era só dar um beijo em Tyra? Isso não seria possível, seria? 

Sendo possível ou não, Tyra já decidiu que não beijará Nels.  

Mas quando ela descobre que há um mistério maior e que todo o povo corre perigo, ela terá que ajudar Nels a encontrar um objeto mágico. O objeto salvará Nels e permitirá que a "Grande Tapeçaria" seja salva. Tudo isso sem beijo. Ou não! 


Comecei a ler o livro sem saber o que encontraria. Mas definitivamente não esperava encontrar uma história tão bacana. Não esperava que esse livro entrasse para a minha lista de favoritos. Mas entrou. 

Trama é um livro de fantasia juvenil. Nele, nós encontramos características comuns dos livros do gênero, mas também encontramos algumas inovações bem bacanas. Neste livro, os grandes feiticeiros, são os Urdidores. Pessoas com o dom da costura. Isso soa esquisito? Soa. Mas na história não é. Todos nós somos uma trama. Uma costura. Temos um fio. A realidade é uma tapeçaria. E os urdidores possuem o poder de costurar, remendar e modificar os fios que completam o mundo. 

Agulhas? São como varinhas mágicas. Dedal? É como um amuleto protetor. E por aí vai. Adorei a forma como os autores criaram a magia dentro deste mundo. 

Outro ponto positivo é o balanço entre homens e mulheres dentro da história. Ainda que o livro tenha sido escrito por dois homens, as mulheres estão bem presentes e representadas dentro do livro. E isso não é tão comum de encontrarmos por aí, então fico feliz em afirmar que Trama ganha pontos nesta questão. 

Outro ponto bem positivo é que o livro faz boas críticas sociais. Elas são o foco da história? Não. Mas elas estão ali. Os autores abordam o preconceito, o machismo, a pedofilia. Claro, tudo de uma forma muito leve, mas se você prestar bastante atenção, vai ver a crítica lá. 

A escrita também é maravilhosa. Em pouquíssimo tempo conseguimos devorar as páginas. A leitura flui numa facilidade enorme. A linguagem simples, a boa diagramação e os capítulos curtos, favorecem a leitura. 

O final de Trama é bem fechadinho, mas abre possibilidades para uma continuação. Eu, particularmente, ficaria feliz se isso acontecesse. Acho que os autores poderiam abordar pontos que ficaram abertos neste livro. Pontos de grande importância? Talvez. Mas ainda que não haja continuação, o livro continuará com 5 estrelas no skoob e favoritado. Não acho que um livro precise responder claramente todas as dúvidas para ser bom. A vida também é assim. As dúvidas estão por toda a parte... e nem por isso, a vida deixa de ser deliciosa. 

Mas vixe, essa resenha já está enorme. Então vou me despedindo galerinha. Espero que vocês tenham curtido a resenha e que tenham a oportunidade de ler esse livro em breve. Tenho certeza de que ele vai agradar a todos aqueles que acreditam em magia... seja ela qual for. 

Um beijão meu povo e até  a próxima! 

E se você curtiu a resenha, compartilhe com os amigos! 

domingo, 29 de maio de 2016

Para os meus pais : A história de Clara e Amanda - Mar Paschoal

E aí povo, tudo certo por aí? 

Hoje eu estou aqui para fazer a resenha de um livro que mexeu muito comigo. E espero que mexa com vocês também. Vamos conhecer? 

Título: Para os meus pais : A história de Clara e Amanda
Autora: Mar Paschoal
Páginas: 75
Compre na Amazon
Sinopse: Existem milhares de pessoas que sofrem com seus próprios problemas. E milhares que sofrem com o sofrimento dos outros. Clara é uma dessas.
Sua melhor amiga, Amanda, tem um segredo devastador. Clara sabe o que Amanda tenta esconder. Mas jurou à amiga que não falaria a ninguém. Clara se vê em um impasse: conta para todos, trai a amiga e a salva? Ou omite, finge que não sabe de nada, é fiel e deixa o universo decidir o que acontece no futuro?
Em "Para os meus Pais" a protagonista não é a vítima. É a amiga dela e sua impotência. 


Minha opinião: Para os meus pais é um livro narrado em primeira pessoa pela Clara. Acompanhamos a vida de Clara desde que ela é uma menina. Seus pais, sempre muito ocupados, a deixam morando com a avó. 

Então Clara conhece Amanda. Amanda é uma menina da sua idade, mas ela parece diferente... Não parece ter um sorriso muito sincero, parece meio desligada, misteriosa... 

Os instintos de Clara, dizem que ela deveria ficar longe da menina, mas ela não consegue. A amizade das duas vai ficando cada vez mais forte, até que ela descobre algo terrível. 

E agora, o que fazer com essa descoberta? Contar para algum adulto? Manter segredo? Como Clara e Amanda irão crescer aguentando todo esse peso? 

Mar Paschoal utilizou uma narrativa diferente para apresentar um problema da nossa sociedade. Neste livro, nós não acompanhamos a vítima. Nós acompanhamos a melhor amiga dela. 

Clara e sua impotência. Ela queria tanto mudar as coisas, mas ela é apenas uma garota, o que ela pode fazer? 

A medida que o tempo passa, Clara vai piorando. Ela fica depressiva, não quer mais sair de casa, se esconde com várias camadas de roupas, fica doente, não consegue comer. Com o passar do tempo, ela deixa de viver. 

É muito triste ver tudo isso acontecendo. E é muito fácil ter empatia por essa garota. Ela podia não ser a vítima, mas ela sofria igualmente. Sofria porque se sentia incapaz, sofria porque não havia nada que ela pudesse fazer - e ela tentou. 

A autora abordou um assunto muito delicado de uma forma totalmente nova (desconheço um livro que seja desta forma, mas não conheço todos os livros do mundo). 

Através dessas poucas páginas, nós sofremos, nós choramos, nós nos damos conta de como as coisas estão erradas. O livro aborda sobre a problemática de fazer os adultos acreditarem nas crianças. Quem é que iria acreditar nas meninas quando um pai de família está afirmando outra coisa? Não gente, infelizmente os pais raramente acreditam nos filhos. Sei disso, passei por isso. NENHUM adulto acreditou em mim. Os adultos (em sua maioria) acham que estão sempre corretos. Os pais adoram encher a boca para dizer "mas se é com a minha filha", só que quando é com a filha deles eles não acreditam. Eles preferem acreditar que as crianças estão exagerando. É mais fácil. Só que nem sempre o mais fácil é o certo. 

Não é fácil ler estas 75 páginas.Não é mesmo. É angustiante, é sofrido, dói, machuca, a gente quer se revoltar contra o mundo. Mas é importante lermos esse tipo de coisa pessoal. Acho que o livro é uma grande ajuda para quem está passando por isso, mas principalmente, os pais, professores e responsáveis precisam ler histórias como essas. 

A gente precisa parar de fechar os olhos gente. Às vezes a verdade está na nossa cara e a gente não quer ver. Mas as nossas crianças precisam da gente. 

Então fica o apelo aqui. Prestem atenção nos nossos pequenos. Escutem tudo o que eles tem a dizer. Acreditem neles. Não importa que eles estejam acusando seu melhor amigo. Vocês podem estar matando seus filhos. Deixando que outros matem seus pequenos. 

Não é preciso dizer que indico o livro a todos não é? 
Infelizmente, a revisão dele está péssima, o que as vezes, atrapalha muito a leitura. Mas do fundo do meu coração, acho que a denúncia presente nestas páginas é mais importante do que uma boa revisão* . 

E é isso pessoal. Quem aqui já vai ler? Quem aqui a partir de hoje, vai dar atenção aos nossos meninos e meninas? 

Se você acha importa falar sobre isso, compartilhe essa postagem com os seus amigos. 

Um beijão e até a próxima! 

*É claro que a revisão é muito importante. Mas às vezes, a gente precisa é conhecer o conteúdo. Problemas de revisão, um bom revisor corrige. Livros vazios e sem conteúdo, revisor nenhum consegue corrigir. 

sábado, 28 de maio de 2016

Trilogia Encantadas - Sarah Pinborough

E aí meu povo, tudo bem com vocês? 

Eu estou bem, muito obrigada pela preocupação =D 

Então pessoal, finalmente eu li a trilogia Encantadas. Ebaaaaa! Vamos conversar sobre? 


Títulos: Veneno, Feitiço, Poder 
Autora: Sarah Pinborough
Editora: Única
Páginas: 224, 247, 224
Sinopse: A Saga Encantadas prova que contos de fadas são para adultos!
Em Veneno, a jovem Branca de Neve se vê em apuros quando seu pai deixa o reino nas mãos de sua madrasta. Para não sofrer sua ira, ela parte para a floresta em busca de ajuda de seus amigos anões. Porém, neste conto de fadas, Branca de Neve não é tão inocente, e a madrasta tem seus encantos para conseguir o que quer.
Em Feitiço, Cinderela encontra em uma fada madrinha o poder que precisava para conquistar seu príncipe encantado. No entanto, ele esconde um terrível segredo. Enquanto isso, sabe-se que Branca de Neve está viva e Lilith, a madrasta, fará de tudo para trazê-la de volta, mesmo que tenha que acabar com todos ao seu redor.
Em Poder, um príncipe mimado precisa provar que é digno da herança do trono do rei e parte para uma jornada distante onde encontra a Bela Adormecida.
Estará Bela disposta a se casar com um rapaz tão despreparado?
E o que será que aconteceu com Cinderela e Branca de Neve?


Minha Opinião: Então pessoal, como é de praxe aqui no blog quando o assunto é trilogias/séries , não farei uma resenha para cada livro. Prefiro falar da trilogia completa. Mas não se preocupe, não darei spoilers. 

Eu tinha vontade de ler esses livros desde que eles foram lançados, mas ficava adiando, adiando e adiando. Até que comecei a ver a série Once Upon a Time e isso foi um pontapé na leitura. E eu digo: não me arrependi. 

Sei que muitas pessoas abandonaram a trilogia no primeiro livro, sei que muitas pessoas odiaram e acharam a história totalmente fraca. Mas eu digo que curti muito essas leituras. Ok, é bem verdade, Encantadas não é uma obra prima. Está bem longe disso. Só que isso não significa que a leitura seja ruim - em minha humilde opinião. 

Você vai aprender algo ao longo dessas quase 700 páginas? Provavelmente não. Sua vida vai mudar depois da leitura? Devido muito. Mas juro, que apesar de tudo isso, a leitura vale a pena. Mesmo que seja apenas para distração.

A trilogia é ousada sim, a sua maneira. É diferente de tudo o que já vimos sobre os contos de fadas. E as três histórias são interligadas de uma maneira muito interessante. Meus personagens favoritos foram a Rainha Má e o caçador. Tive pena dela e me apaixonei por ele. Mas todos os personagens possuem características bem peculiares. A única criatura que me deu nos nervos foi a Branca de Neve. Ô mocinha chata. 

Outro ponto positivo é a presença das mulheres. É muita mulher poderosa nesse mundo. Curti demais isso! E se você aceitar de coração aberto, vai perceber que as histórias até abordam algumas problemáticas. É algo muito profundo? Até que não. Mas está ali, então ponto para a autora. 

As histórias possuem algo de obscuro, mas isso tem mais relação com as pessoas. Pessoas são sinistras não são? Algumas são verdadeiros monstros... 

Mas sim, os livros são para adultos. 

Há muito sexo no livro. Muito! Mas por incrível que pareça, isso não me incomodou. Acho que ele ficou muito natural ali. Fazia sentido dentro do contexto da história. E a autora escreveu tudo de uma forma tão bacana, que foi tudo natural - bem diferente de uns livros por aí... 

Enfim, é isso o que eu posso falar sem correr o risco de contar o que não devo. 
Ah e mais um detalhe, é uma trilogia, mas você pode ler as histórias separadamente. Todas possuem começo, meio e fim. Mas indico que você leia na ordem. Tenho certeza de que a leitura será mais proveitosa. 

E eu vou me despedindo galera. Se vocês tiverem a oportunidade de ler, se joguem. Aproveitem essas histórias, que posso prometer, são delicinhas. 

Alguém aí já leu? Curtiu? Me contem! 

E se você gostou da postagem, compartilhem com os amigos. 

Um beijão e até a próxima! 

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Assim se pariu o Brasil - Pedro Almeida Vieira

E aí povo, tudo bem com vocês? 

Hoje estou aqui para mais uma resenha em parceria com a Editora Sextante. Vamos conferir? 

Título: Assim se pariu o Brasil 
Autor: Pedro Almeida Vieira 
Editora: Sextante 
Páginas: 320
SKOOB
Sinopse: Há mais de 500 anos houve um pequeno povo, oriundo de um minúsculo pedaço da Europa, que descobriu, diz-se por engano, um pedaço da costa sul-americana. E depois mandou para lá mais naus. E mais gentes. Por lá atacou índios e foi atacado por eles, aliou-se a nativos, procriou com índias, trouxe negros da África, procriou com negras, mandou jesuítas pregarem terra adentro, meteu-se em cultivos e garimpos, perambulou pelo sertão, navegou por rios parecidos com o mar. Ainda lidou com a cobiça de outros países europeus sedentos em filar seu quinhão. Tudo isso só poderia resultar em sangue e crueldade, mas bem misturado com coragem e sagacidade. 
Neste livro, Pedro Almeida Vieira mostra como um “rato” (Portugal) pariu uma “montanha” (Brasil). Com ilustrações de Enio Squff, a obra relata 25 dos mais fundamentais episódios da História colonial. Conhecer isto, por meio da pena de um português, talvez ajude a compreender por que o Brasil nasceu quase sem dramas (ao contrário dos outros países sul-americanos), e depois cresceu assim, como se sabe. A “culpa”, sempre se pode dizer, foi do português, claro. E o autor, português, até concordará.

Minha opinião: Eu sou apaixonada por história, mas confesso que a história do Brasil nunca havia me atraído. Isso até ser lançada a coleção "História Politicamente Incorreta". Aliás, o livro que conta a história politicamente incorreta do Brasil eu pretendo ler ainda esse ano. Então quando a Sextante lançou este livro, claro que eu já fui solicitando para leitura. Pelo título, imaginei que seria alguma sátira ou algo do tipo. Não foi exatamente o que eu encontrei... 

Assim se pariu o Brasil é contada de uma forma bem didática na verdade. Apesar da linguagem simples e de algumas piadinhas no meio da narrativa, a leitura não é fácil. São muitos dados, muitas datas, nomes e acontecimentos. Pedro pesquisou muito para escrever esse livro. Ao final da obra, encontramos as referências bibliográficas. E elas são muitas. 

Outro problema que eu tive durante a leitura, é que a narrativa não é linear. Nós temos muitos saltos no tempo e logo após, voltamos alguns anos e tudo isso pode ser bem confuso se não prestarmos muita atenção.

Mas apesar de uma certa dificuldade na leitura, eu achei a experiência muito válida. Foi muito enriquecedor ir mais a fundo na história do nosso país. Mas confesso que não acredito em tudo o que está escrito no livro. Apesar de amar história, sei o quanto as coisas podem ser distorcidas/modificadas/omitidas. Não importa o que digam os relatos oficiais. O papel aceita tudo. A memória de quem escreveu também. Estou correta? Talvez sim, talvez não. Mas história não é uma coisa exata para a gente ter certeza absoluta. 



Isso é uma crítica? Não! De jeito algum. Só estou falando que não acho correto a gente acreditar em tudo o que nos contam. É preciso investigar. Na verdade, o próprio autor aborda isso quando ele fala sobre pessoas que hoje nós julgamos como heróis. Mas que talvez, a história não tenha sido bem assim. Talvez, essa pessoa esteja se revirando no túmulo por ser considerada uma figura heroica em nosso Brasil. 

Ao final do livro, Pedro fala que o Brasil passou por muitos outros momentos históricos, mas depois da Independência não cabe a ele comentar. Afinal, uma coisa era falar da terra que "pertencia?" a Portugal (o autor é português) outra coisa era meter o bedelho no país livre. 

Confesso que gostei desta atitude e acho que o autor estava correto. Mas confesso, que particularmente, não me senti muito confortável lendo a opinião - história também é opinião - de um português sobre o MEU Brasil. Minha genética indígena não me permite aceitar muito bem algumas coisas. 



Mas claro pessoal, isso é muito pessoal. Como já mencionei, acho que a leitura é super válida. Realmente vale a pena. E no mínimo, vai instigar você a pesquisar mais. E você vai ficar com uma pulguinha atrás da orelha. Será que a história que te contaram na escola era mesmo verdadeira? 

A edição do livro também é super bacana. A capa é muito chamativa, as páginas são amareladas, há ilustrações nas páginas e os títulos dos capítulos são bem interessantes. Só não curti o tamanho da fonte. Achei a letra muito pequena. 

E então é isso pessoal. Sei que o livro não chama a atenção de todo leitor, mas como eu disse, acho a leitura bastante proveitosa para quem deseja conhecer e buscar mais sobre a história do nosso país tão amado - e às vezes tão odiado. 


Vocês já conheciam? Gostam de história? Me contem! 

Se você gostou da postagem, compartilhe com os amigos. 

Um beijão e até a próxima! 

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Nós fomos estupradas!

Não dá para começar essa postagem com o meu tradicional "E aí povo, tudo bem com vocês?" . Não dá gente! Não dá! Não dá porque eu não estou bem. Não dá porque eu também não quero que vocês estejam bem. Eu estou chocada, chorando, com raiva, indignada. E eu espero, do fundo do meu coração, que todos vocês estejam assim. Ou pelo menos, que TODAS vocês estejam assim. 

Uma garota/menina/mulher/irmã foi estuprada por 30 homens. 30. TRINTA. 3 x 10. 

Ela foi estuprada e tudo foi gravado. O vídeo foi espalhado por aí. Os tais homens acharam aquilo engraçado. 

E agora, eu pergunto a vocês, o que vocês acham disso? 

Meninas, é por causa disso que nós precisamos lutar. Porque a cultura do estupro existe sim! Porque essa menina podia ter sido eu, podia ser você. Quem sabe essa menina não seja minha leitora? Ou sua? Ou ainda que seja uma completa desconhecida. Não interessa. É uma irmã sim! É uma mulher! Pelo amor dos deuses, é uma PESSOA. 

Então por favor meninas, não reproduzam comentários como "Mas o que ela estava fazendo ali? " , "Na certa estava bêbada" , "Mas era uma vadia, bem que mereceu" ou similares. NENHUMA de nós, não importa a roupa, não importa o estado, a aparência, o comportamento, NENHUMA mulher merece ser estuprada. 

É por essas e por outras que a gente precisa do feminino sim. Que a gente precisa da união. Da sororidade. Homem não vai te defender irmã. Haviam 30 homens ali, NENHUM a ajudou. Nenhum foi HUMANO o suficiente para acabar com aquela barbaridade. 

E agora eu falo com os meus leitores homens. E eu vou pegar pesado. MUITO! Então se é para ficar bravinho, pode sair daqui. Vou pegar pesado mesmo. Falar mesmo o que vocês precisam ouvir. 

Não adianta nada ficar dizendo/pensando "não é todo homem" , "mas esses não são homens" , "Mas não é bem assim" quando vocês não estão fazendo diferente. Se você fica compartilhando imagens de mulheres nuas - imagens quase sempre tiradas ou espalhadas sem o consentimento da mulher - então vocês não são diferentes. NÃO SÃO! Se vocês permanecem em grupos onde outros homens fazem isso e vocês não falam que aquilo tá errado, que isso não pode acontecer, que é um problema e precisa mudar, então vocês não são diferentes. NÃO SÃO! Se vocês dão risadas da piada machista, ou ficam assistindo enquanto o coleguinha assedia a moça, então vocês não são diferentes. NÃO SÃO! Se você fica assediando a mina, que já te disse não, você não é diferente. NÃO É! Se você não ficou indignado com o que aconteceu com a moça, você não é diferente. NÃO É! 

Engraçado, que eu não vi NENHUM homem discutindo sobre isso nas redes sociais. Não vi os homens indignados. O que é estranho, no mínimo. Aliás, tem tanto homem por aí querendo dar pitaco nas nossas roupas, dizendo que é tudo puta, dizendo que o feminismo é isso e mulher de verdade é aquilo. Homens de família. Homens de bem. Cadê esses homens agora? Cadê? Cadê a indignação? Ela não existe? 

Sabe aquele seu amiguinho que você adora? Quem sabe ela não seja um estuprador? Quem sabe ele não deu em cima da colega menor de idade? Quem sabe não abusou da sobrinha? Quem sabe esse carinha que você vê no espelho não seja um estuprador? 

Quem sabe os amiguinhos do wattsapp nunca estupraram ninguém. Mas se a gente colocar uma mina ali, bem bêbada e inconsciente, será que eles não fariam o mesmo? E você? Você iria impedir? Ia impedir porque se você não impede que eles fiquem espalhando fotos íntimas de outras mulheres? 

Queria ainda, que vocês pensassem em três mulheres que vocês amam muito. Vocês certamente devem ter. Mãe, irmã, esposa, filha... Provavelmente uma delas será estuprada. Não estou rogando praga. E nem desejando o mal. Estou dando um dado. 

Triste não é? E talvez sua esposa seja estuprada pelo seu coleguinha. Aquele que fez uma piada machista e você riu. Aquele que divulga fotos com a legenda "que rabão!" . Pois é! 

Quem sabe seu vizinho, parceirão, não tenha abusado da sua filha? Quem sabe não é? Ah, ela te contaria é? E você acreditaria? Afinal, ele é seu brother, grande irmão. 

Quem me acompanha sabe que eu estou sempre fazendo militância. E vou continuar fazendo. Foda-se se eu perder seguidores, porque tem homem que não quer ouvir a verdade. FODA-SE se eu serei excluída de grupos "de bem" porque estou ofendendo homem. FODA-SE se homem fica se sentindo ofendido. Se se sentiu ofendido é porque chapéu serviu. Homem que está na luta, homem que não ofende mulher, homem que está se desconstruindo e desconstruindo o colega não fica ofendido. Fica é querendo lutar mais! Fica é querendo desconstruir mais. 

E eu me despeço por hoje. A luta vai continuar. A Gislaine Oliveira vai continuar pregando feminismo e amor sim. O PE vai continuar gerando discussão. A Gih vai continuar batendo na mesma tecla. A gente vai lutar, todos os dias, não importa quantos fiquem contra nós. 

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Contos lidos #7

E aí povo lindo, tudo certo por aí? 

Ontem eu não apareci aqui, pois estava fazendo algumas provas complicadas da faculdade. Pensem na situação da coitada da criatura de humanas, fazendo uma prova de matemática financeira... Pois é! Mas não é que me sai bem? Ou melhor, maravilhosamente perfeitamente bem. Gabaritei a prova. Isso mesmo! Só não sei como, acho que baixou o santo matemático na criatura hahahha. Eu estava com tanto, mas tanto medo de fazer essas provas, mas foi tudo perfeito, então vamos lá que a vida segue e já tem matéria nova no pedaço... 

Mas como nem só de faculdade vive a pessoa hoje estou aqui para falar de contos, então peguem papel e caneta e anotem as dicas :) 

OBS: Todos os contos são encontrados na Amazon. Basta clicar no título para ser direcionado à página. 




Este é um conto que fez bastante sucesso quando a Fran lançou. Mas só pude ler recentemente. E entendo agora o porquê de tanto alvoroço. Realmente a Fran é super talentosa. Já era possível perceber isso acompanhando seu blog My Queen Side, mas ao ler o conto, tive ainda mais certeza disso. Ainda que o enredo não seja bem o que costumo e gosto de ler, curti bastante. E a escrita da Fran é uma delícia e impecável. Não vou falar sobre o enredo, pois o conto é curtinho, mas confiram a sinopse na Amazon. 


Seria trágico se não fosse cômico. E seria cômico se não fosse trágico. O conto em si, poderia até ser trágico, se não fosse engraçado. Um homem, impedido de realizar seus desejos por causa de um... sapato? Mas confesso que me sinto meio otária hahahha. Alguém já leu este conto? O autor revela que o personagem é alguém conhecido. Eu desconfio de algumas figuras, mas não tenho certeza. Então seria cômica a minha dúvida, se não fosse trágica, já que aparentemente todo mundo entendeu a piada, menos eu... Se alguém leu, por favor, me revele o segredo hahaha. 

Esse é um conto super curtinho e revela bastante sobre os jovens casais. Aqueles que se casam no ápice da paixão, mas que descobrem que a vida a dois não é assim tão simples. Gostei bastante por revelar essa realidade. Mas confesso que alguns pontos bem pessoais, me incomodaram um pouco, acho que as pessoas são diferentes e um casamento perfeito não é feito de duas pessoas iguais. Ainda assim, acho que C.J. Santos sabe envolver e até emocionar, um pouco mais de prática e amadurecimento e poderemos conhecer grandes histórias desse rapaz. 

Vocês acreditam em destino? Acreditam que conhecemos as pessoas por puro acaso ou por uma força maior? Particularmente, não gosto muito de pensar em coisas pré determinadas. Acho que nosso livre arbítrio é que faz as diversas situações. Mas nem eu posso negar, que certas coisas são muito exatas para serem apenas coincidências... Quantas pessoas nós conhecemos ao longo da nossa vida? Por quantas pessoas nós esbarramos todos os dias? E se aquela pessoa que entrou no vagão, fosse nossa alma gêmea? E se nosso melhor amigo, fosse aquele cara que não cumprimentamos? E se assim perdemos uma grande chance? 
O conto é super curto, mas nos leva a estas reflexões. Então indico sim.

Não conhecia a escrita da Adeline ainda, mas agora que conheci... quero ler muitas outras coisas da autora. Neste conto, conhecemos uma mulher que está em busca de comida. O mundo está devastado. Existem poucos sobreviventes. Até aí nada de novidade não é mesmo? Mas sério gente, o conto surpreende bastante. Além da escrita super fluída da autora, o desfecho me deixou de boca aberta, pois eu realmente não esperava aquilo. Não posso contar mais para não dar spoilers, mas vale conhecer. 



Infelizmente este conto não me conquistou. Eu adorei o título e fiquei esperando algo diferente. Mas infelizmente não encontrei isso. Acho que esse é um tema onde podemos ousar, mas este conto é bem comum, não achei ele muito especial. 


Há muito tempo eu queria ter lido este conto, pois acompanho o Tony em seu blog Tony Lucas, mas sempre ficava adiando e adiando... Até que finalmente li. E devo dizer a vocês, não é apenas a capa deste conto que é uma gracinha. O conto inteiro é uma graça, uma delícia de ler, a escrita do Tony é super fluída e lemos o conto rapidinho, mas torcendo para mais coisas desse casal. Indico a todos aqueles que gostam de histórias leves, gostosas e que nos fazem suspirar. Apenas uma coisa me incomodou e foi por causa dela que não dei 5 estrelas ao conto (dei 4). A idade dos personagens. O conto está classificado como infanto juvenil na Amazon, então é justificável que os personagens sejam meio bobos e até infantis. Mas eles tem mais de 20 anos. E ficam reclamando de coisas que a gente reclama quando tem 15 anos. Quando a gente tem 20, a gente vai lá e muda as coisas. Então acho que se os personagens tivessem até uns 17 anos, casariam melhor com a história. Mas claro, isso é só uma opinião. E não acho que desmereça o conto, é apenas um ponto que me desagradou. Mas o conto está super indicado, assim mesmo. E pretendo ler mais coisas do Tony.


E é isso meu bom povo. Já leram algum? Curtiram conhecer? Me contem! 

E se você gostou da postagem, compartilhe com os amigos. 

Um beijão e até a próxima!  

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Visual novo e um mundo melhor

E aí povo, tudo certo por aí? 

Aqui está tudo bem :) 

Nos últimos dias, mudei um pouco o visual. Tirei o aparelho dentário (ebaaaa) e cortei meu cabelo. Cortei MESMO. Corteio tudo! Mas não foi para mudar o visual. Na verdade, estava deixando meu cabelo crescer faz um bom tempo para doá-lo para uma instituição da empresa em que meu marido trabalha. Nesta instituição, eles recolhem o cabelo e doam para o o instituto do câncer infantil (não tenho certeza do nome agora). 

Pois é, você deve achar que essa é uma ação muito pequena. Eu também acho. Mas tudo o que eu fizer será muito pouco. Mas se muita gente fizer pouco, então ao final, teremos feito muito. 

Por isso postei sobre isso no facebook. E estou aproveitando para postar aqui. Pode ser que mais alguém se inspire nesta atitude. Pode ser que alguém corte o cabelo. Pode ser que alguém doe um casaco para a campanha do agasalho. Pode ser que alguém alimente um animal de rua. Pode ser que a gente mude o mundo. 

Esta tem sido a minha meta ultimamente. Todo o dia, mudar um pouquinho esse mundo. Sei que algumas pessoas podem pensar que eu sou só uma chata mesmo que fica aqui problematizando tudo. Não nego, sou chata mesmo e fico problematizando tudo. Mas só isso não é o bastante. É preciso agir. Agir um pouco. Bem pouco pode ser, mas todos os dias. 

Então fica aí o convite gente. Façam o seu pouquinho. Só um pouquinho. E espalhem esse pouquinho. Me contem o pouquinho que vocês tem feito. Talvez eu possa ajudar e assim teremos um pouquinho mais :) 

E agora claro, vamos problematizar porque né.... 

Vou confessar para vocês, achei que causaria um verdadeiro reboliço por causa do que fiz. Mas até que o povo foi tranquilo. Muita gente elogiou e tal. Muito obrigada. Mas infelizmente, como sempre, apareceram aqueles comentários chatinhos. Mas claro, como a boa pessoa que sou, expliquei, ironicamente, que aquilo estava errado. 

Vamos as frases que ouvi? E as respostas que dei? :3 



" - Mas você tinha um cabelo tão lindo... 
- Ainda tenho. " 

" - Mas seu cabelo era muito lindo mesmo. 
- Ah, se fosse feio não tinha problema doar? As crianças só merecem cabelo mal tratado? "

" - Mas você fez promessa? 
- Para fazer o bem, você precisa prometer? Precisa de algo em troca? "


" - Você é corajosa hein? 
- Até que não. Cortar o cabelo não dói. Corajosas são as crianças que estão lutando pela vida. " 


" - Parece um menino. 
- Um menino lindo. Eu pegava. "


" - Mas seu cabelo cresce rápido? 
- Que nada! Ele demora e demora e demora... Uma pena. Se crescesse rápido podia doar todo mês. " 


" - Mas eu gosto de cabelo comprido filha. 
- Então deixa o seu crescer pai. " 


" - Mas seu marido gostou? 
- Olha o sorriso de quem se importa com isso. " 


" - Mas quanto mais comprido o cabelo, mais bonita é a mulher. 
- Eu acho que quanto maior o sorriso, mais linda é a pessoa. " 


" - Mas você ficou com o cabelo muito curto. Seu marido não gosta de cabelo comprido? 
- Adora! É por isso que deixa o dele crescer. " 


Tá, tudo bem. Talvez eu seja malvada. Mas tem horas que não dá gente. E às vezes, só com ironia para lidar com algumas pessoas. 

Mas então é isso pessoal. 

Alguém já pensou em doar o cabelão? Quem aí está tentando melhorar o mundo? Alguma mina usa cabelo curtinho e passou por algo do tipo? Me contem! 

E se você curtiu a postagem, compartilhe com os amigos! 

Um beijão e até a próxima! 

domingo, 22 de maio de 2016

Lidos, mas não resenhados #9

Vocês já tiveram a sensação de que andam lendo demais? Pois é! Eu percebi isso esses dias :P Só nesta postagem, estão 8 livros. Só neste mês, já li mais de 14 livros (mais os contos).  E ainda assim, não consigo ler tudo o que gostaria :( Alguém consegue? 

Bem, vamos parar de perder tempo - afinal, poderíamos estar lendo ahhahaa - e vamos conferir um pequeno comentário sobre os últimos livros que li, mas que infelizmente não serão resenhados no blog. 

OBS: Basta clicar no título do livro para ser direcionado à sua página no Skoob. 


Este foi o primeiro livro que li do autor. E gostei bastante. Quem me conhece, sabe que não sou uma grande fã de livros de contos - apesar de curtir contos. Vai entender né?  -, mas esse é realmente bacana. O conto que dá nome ao livro é bem pesado. Mostra uma realidade que a gente tenta esconder. É preciso estômago para ler. Outro conto que eu curti bastante, mas que não recordo o nome, era o conto de um autor. Gente, ele é profundo, pesado até, diria. 
Indico o livro a todos. Talvez nem todos irão gostar, pois não são contos leves, mas acho que todos merecem ter a chance de conhecer esse livro. 

Eu já havia lido a paródia que o autor havia feito de Crepúsculo. E curti. Minha opinião completa, vocês podem conferir AQUI. Mas confesso que desta vez não curti. E não porque eu seja fã. Mas porque realmente não achei engraçado. Jogos Vorazes tem uma possibilidade imensa de piadas, mas desta vez o Jeferson não soube aproveitá-las. 

Vocês devem estar cansados de saber, que eu adoro literatura juvenil (infanto juvenil , YA, qualquer coisa do tipo), então estava bem empolgada para conhecer essa série. Infelizmente, ela não me conquistou. Achei a leitura extremamente cansativa. Não sei se eu não estava no momento, sei lá. Só sei que não curti. Mas algo bem positivo é que as mulheres dominam tudo neste mundo hahaha. Então talvez eu continue lendo a série por causa disso. 

Conheci o Eduardo através do trabalho super diferente que ele faz para vender e divulgar suas obras. Não vou falar mais sobre aqui, pois pretendo fazer uma postagem com ele, então aguardem... 
Mas além do trabalho super diferente que Lages faz, sua obra também é muito interessante. Nela, nós conhecemos Jaime, um senhor idoso que leva uma vida relativamente normal. Mas um dia, ele é assaltado por alguns moleques de rua. Ele tenta lutar, os meninos dão uma pancada em sua cabeça e ele desmaia. Quando ele acorda, não lembra mais quem ele é, o que ele está fazendo na rua, o que aconteceu com ele. Ele tenta pedir ajuda a todos, mas as pessoas o olham com nojo, acreditando que se trata de um bêbado ou um mendigo. Todos os homens e mulheres "do bem" apenas viram a cara para ele. E quem o ajuda? Um mendigo. Mas claro, isso é apenas o começo. O livro é super curtinho, mas conta uma história que nos faz refletir muito sobre diversos aspectos. Quando comecei a ler, lembrei um pouco de A Metamorfose, de Kafka. Acho que todos vocês deveriam dar uma chance a obra. E ela está quase sempre gratuita na Amazon, então não tem desculpa :) 


Esse livro quem me indicou foi o autor Oscar Bessi. É uma leitura bacana, mas não acredito que vá agradar qualquer leitor. Através deste livro nós conhecemos alguns trabalhos sociais realizados através da literatura. Para quem pretende trabalhar como mediador da leitura ou algo do tipo, a leitura é super válida. 

Eu sou grande de idade. Mas ainda gosto de coisas infantis, fazer o quê? Gosto de ler esse tipo de coisa depois de ter lido algo muito pesado, profundo ou chato. E foi assim que conheci esse pequeno livro. Mas ele é uma gracinha gente. Conta uma história em rima. Conta a história de algumas crianças que não gostam de ler, então as mamães criam uma estratégia para mudar isso. E eu adorei. Com certeza vou usar se um dia precisar. E ao final do e-book, nós encontramos ainda algumas dicas para os adultos incentivarem a leitura dos pequenos. Vale conferir galera. 


Eu não gosto de Hai-Kais e também tenho receio do Ziraldo desde que ele fez aquele triste comentário sobre a homossexualidade. Mas eu cresci lendo o Menino Maluquinho, então apesar de tudo, resolvi dar uma chance a esse pequeno livro. Pequeno mesmo. Mas uma gracinha, confesso. Há alguns Hai-Kais super divertidos. É uma boa opção para crianças, pois a leitura é super fácil, já que são apenas algumas frases. E também é uma opção para quando a gente só quer relaxar e dar alguns sorrisos. 


O Papel de Parede Amarelo - Charlotte Perkins Gilman
Vou contar um segredo para vocês. Eu raramente adquiro um livro apenas por uma resenha. Sou daquele tipo de pessoa que precisa que os outros insistam sabe? Nesse caso, não diretamente. Mas preciso ver várias resenhas, ver várias vezes o livro, até que eu me convença de comprá-lo. 
Mas com esse livro foi diferente, assim que vi a resenha no blog Desbravador de Mundos senti que eu precisava lê-lo e fui correndo adquirir. Na versão da Amazon que eu sou pobre. E eu estava certa em querer ler esse livro/conto. Nele, nós conhecemos uma mulher que é diagnosticada pelo marido/médico como uma paciente com crises nervosas. O tratamento? Isolamento. Agora ela não pode mais sair de casa, não pode mais receber visitas, não pode nem mesmo escrever... 
É angustiante ver a situação dessa mulher. É angustiante saber que muitas passam por isso. É angustiante, os momentos em que ela descreve o marido. Algo como "ele me ama muito, por isso é muito protetor" . Quantas e quantas mulheres vivem nessas condições diariamente? São presas, ainda que não fisicamente. 
Poucas páginas, mas que abre muitas possibilidades de reflexão. Com certeza eu indico. 



E por hoje é isso pessoal. Sei que a postagem ficou gigantesca, mas a pessoa é meio louca, fazer o quê? 

Vocês já conheciam os livros citados? Algum interessa vocês? Me contem! 

E se curtiram a postagem, compartilhem com os amigos. 

Um beijão e até a próxima!