quinta-feira, 23 de junho de 2016

O meu pé de laranja lima - José Mauro de Vasconcelos

E aí povo, tudo bem com vocês? 

Hoje estou aqui para falar de uma história que mexeu bastante comigo. Vamos conhecer? 


Título: Meu pé de laranja lima
Autor: José Mauro de Vasconcelos
Páginas: 192
Compre na Amazon
Compre no Submarino
SKOOB
Sinopse: Na obra juvenil mais conhecida de José Mauro, a pobreza, a solidão e o desajuste social vistos pelos olhos ingênuos de uma criança de seis anos. Nascido em uma família pobre e numerosa, Zezé é um menino especial, que envolve o leitor ao revelar seus sonhos e desejos, por meio de conversas com o seu pé de laranja lima, encontrando na fantasia a alegria de viver.

Minha opinião: Se existe alguém aqui que não acredita no poder de uma boa resenha, certamente mudará de ideia com a história que vou contar. 

Na primeira escola onde estudei, os professores levavam muito a sério essa coisa de leitura. Tínhamos trabalhos para fazer sobre os livros que a gente lia (e lia de verdade), apresentações, teatros. 

E lá pelas tantas, quando eu tinha uns 9 anos, uma coleguinha chamada Claudia, falou sobre esse livro. E ela falou de uma forma tão entusiasmada que eu senti que precisava ler. 

Claro, estou atrasada. 13 anos se passaram desde então. Mas enfim consegui fazer essa leitura. 

Só pra falar sobre o poder de uma resenha sincera... 

Mas enfim... 

Para quem não conhece (e eu espero que quem não conheça, vá correndo adquirir o livro) O Meu pé de Laranja Lima é narrado pelo Zezé, um menininho de 5 anos. 

Zezé é um menino muito criativo, muito ativo e óbvio, muito levado. Tão levado, que todos ao seu redor dizem que ele é afilhado do diabo. E ele apanha como tal. Por causa disso, ele acredita que é mesmo um diabo e por isso ninguém gosta dele. 

Mas tudo muda, quando a família de Zezé vai morar em outro lugar. E lá, o menino faz duas amizades inusitadas. Com um português invocado e com um pé de laranja lima. 

Não que a vida do Zezé em casa tenha melhorado, mas agora ele tem com quem conversar, com quem desabafar. E toda felicidade quando compartilhada aumenta. Mas a dor, diminui. 

Através desta história um tanto biográfica, José Mauro nos leva para uma infância sofrida, muito pobre, com muitos irmãos para dividir o pouco, com poucos para dividir as muitas surras. Zezé apanha muito, é bastante triste presenciar essas cenas. Cenas reais, que acontecem todos os dias em tantos lares por aí. Por quantos Zezés nós passamos ao longo da nossa trajetória? 

Mas apesar disso, a história é muito bonita. A imaginação do Zezé é uma coisa linda. Ele cria mundos incríveis. E a amizade que ele faz com o pé de laranja e com o Portuga é sensacional e arranca lágrimas de quase todo leitor. 

Não conhecia o trabalho do autor ainda, mas depois desse livro, pretendo ler outros dele. E ele tem váááááááários. A leitura flui facilmente, mas as vezes é necessário parar para digerir tudo aquilo. Quem não teve uma infância assim, certamente se emocionará. Mas quem passou trabalho quando criança, certamente precisará de alguns momentos depois da leitura. 

Acho importante destacar a idade do Zezé. Ele tinha apenas 5 anos e era extremamente maduro. Já lia, já entendia toda a situação precária pela qual a família passava, já cuidava do irmão menor. Sei o quanto essa realidade pode ser distante de muitos leitores aqui, mas é preciso analisar não apenas a idade do personagem. Mas a situação. Como Zezé mesmo diz, quando a gente nasce pobre, a gente precisa amadurecer muito rápido. 

Então quando for ler, leve isso em consideração. É um menininho que está contando a história. Mas que passou por muitas coisas que tantos adultos sequer são capazes de imaginar. 

Outra coisa que gostaria de abordar é o fato de que esse livro é muito comparado com O Pequeno Príncipe. Em minha humilde opinião, não vejo motivos e necessidade para tal. OMPDLL é um livro fantástico, que não precisa se comparar a outro livro. Uma pena que nosso Mauro não seja tão louvado e conhecido como o colega francês. 

Se o livro não tem problemas? Tem, é claro que tem. Mas mais uma vez, acho importante destacar quando a história acontece, que seria pelos anos 20. O livro foi escrito anos depois, mas já que se trata de certas memórias do autor...

Mas isso de maneira alguma é motivo para que alguém não leia esse livro. Indico para os pequenos, para os grandes, para os pais, para os educadores, para o mundo todo... 

Essa história é tão bacana que ela ganhou várias adaptações, incluindo 2 filmes, novela e teatro. 

A versão mais recente do filme é de 2013 e eu fui assistir assim que terminei de ler. 

Acho que ela não capta todos os sentimentos do livro e pode confundir quem ainda não leu a história, por não ser bem explicado. Ele parece um arranjo de memórias com cenas soltas - principalmente no começo. Mas ainda assim é belo e vale a pena conferir após ler a obra. 

                                                         

E é isso povo. Espero que vocês tenham gostado da resenha. E se gostaram muito, compartilhem com os amigos. Vamos fazer essas boas histórias chegarem a novos leitores. 

Mas me contem, vocês já leram? Vão adquirir um exemplar? 

Um beijão e até a próxima!

11 comentários:

  1. Oi, Gi!
    Eu não cheguei a ler o livro, mas via alguns capítulos da novela, que acho que passava na Band hahhahaha
    Hoje em dia, não sei se leria... sei lá.. eu acho que não seria tão prazeroso
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe da promoção de aniversário do blog Crônica sem Eira

    ResponderExcluir
  2. Eu amo esse livro, tenho um muito antigo, era da minha mãe na época de escola, já até está com a lombada danificada e algumas folhas soltas, mas adoro mesmo assim.
    Nem sabia que existia um filme, vou procurar para assistir :)

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assista sim, acho que você vai gostar :)
      Beijos

      Excluir
  3. Olá, Gih.
    Meu pé de laranja lima é dos meus livros "infantis" favoritos. Passa uma história muito bonita, apesar de dolorosa. Digo dolorosa porque, em muitos momentos, sofremos junto com o Zezé.
    Maravilhosa resenha.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de junho. Serão quatro livros e dois vencedores!

    ResponderExcluir
  4. Ooi Gi, tudo bom?
    Li esse livro na escola também, acho que eu tinha uns 10 anos,
    Não me lembro tanto assim da obra mas lembro que gostei bastante, espero reler, ver o filme e me encantar de novo \o
    Beijoos,
    Sétima Onda Literária

    ResponderExcluir
  5. Olá, Gih.
    Eu só conheci esse livro esses dias atras, em um outro blog. Acho que não encontrei ele na biblioteca da escola quando era criança hehe. Mas com uma resenha tão empolgada como a sua, acho que tenho que dar uma chance ao livro.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sil, você PRECISA ler. Tenho certeza de que vai adorar :)
      Beijão

      Excluir
  6. Olá Gih!
    Eu ouvi falar deste livro por conta deste filme de 2013. E eu fiquei com tanta vontade de ler, até porque o local, segundo ouvi, é um bairro bem perto de onde moro. (A famosa Bangu. haha)
    Com certeza é um livro que coloca a gente para lembrar da infância e para pensar também.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Eu tenho muita vontade de ler "O Meu pé de Laranja Lima".
    Assisti esse filme e me diverti muito com o Zezé , mas também sofri muito ao ver algumas cenas.
    Pensei que o filme fosse fiel ao livro. Se eu gostei do filme, irei gostar mais ainda do livro.

    Abraço!
    http://tudoonlinevirtual.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sávio. Até que é bem fiel, mas acaba não conseguindo captar tudo sabe?
      E algumas coisas ficam confusas. Indico que você leia o livro. Se você gostou do filme, vai se apaixonar pela obra original.
      Beijos

      Excluir
  8. Li esse livro ano passado e entrou pra meus favoritos da vida, chorei horrores lendo, é uma história muito triste e ao mesmo tempo muito real... Como você disse, existe muitos Zezé em muitos lares por aí, infelizmente. Imagina agora com a situação em que se encontra o Brasil. É impossível você ler esse livro e sair a mesma pessoa, Zezé nos ensina a ser melhor de alguma forma, bj!

    umaliterariaa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir